COMO O EMPREGADOR DEVE PROCEDER QUANDO O INSS CESSA O AUXÍLIO DOENÇA DO EMPREGADO, MAS O MESMO ENCONTRA-SE INAPTO AO TRABALHO?

inss

COMO O EMPREGADOR DEVE PROCEDER QUANDO O INSS CESSA O AUXÍLIO DOENÇA DO EMPREGADO, MAS O MESMO ENCONTRA-SE INAPTO AO TRABALHO?

16:49 09 novembro em Outros

De início, importante esclarecermos que essa situação denomina-se na doutrina como LIMBO PREVIDENCIÁRIO, qual seja, aquele em que o empregado afastado inicialmente pelo INSS tem o benefício cessado, mas o médico da empresa ou do próprio empregado declara que o mesmo ainda encontra-se inapto para o trabalho.  

 

Desta forma, o empregado encontra-se num estado de indecisão, incerteza, que é o próprio LIMBO PREVIDENCIÁRIO. 

 

Apesar de o decreto 3.048/99 prever que, se concedido novo benefício decorrente da mesma doença dentro de sessenta dias contados da cessação do benefício anterior, o empregador não está obrigado a pagar novamente os 15 primeiros dias de afastamento, por se tratar de hipótese em que o referido benefício será prorrogado pelo INSS com o desconto dos dias trabalhados, a jurisprudência trabalhista possui entendimento de que o empregado, frise-se, novamente afastado e reencaminhado ao INSS, não poderá ficar sem sua remuneração 

 

Nesse sentido, a jurisprudência trabalhista, nessa hora protencionista, determina que a empresa pague novamente os 15 dias pelo afastamento do trabalhador, caso em que, socorrerá à empresa apenas recorrer ao Judiciário para cobrar do INSS esses 15 dias pagos em duplicidade, em tese. 

 

Confira os seguintes precedentes do TST:  

 

http://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/construtora-que-negou-retorno-de-pedreiro-ao-trabalho-deve-pagar-salarios-apos-alta-previdenciaria/pop_up?_101_INSTANCE_89Dk_viewMode=print&_101_INSTANCE_89Dk_languageId=pt_BR 

 

—————————————————————————————- 

 

http://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/empregada-que-foi-considerada-apta-pelo-inss-e-inapta-por-medico-da-empresa-consegue-rescisao-indireta 

 

Lembrando que esse novo afastamento tem que ser pelo mesmo motivo do anterior. 

 

E mais, sendo incerta a aptidão do empregado para o exercício de suas funções, cabe ao empregador realocá-lo em atividade compatível com suas limitações físicas, e não somente negar o seu retorno ao trabalho. O TST tem diversos precedentes nesse sentido. 

 

 

Fabiano Rodrigues Costa, advogado, especialista em direito e processo do Trabalho, pós-graduando em direito empresarial, sócio fundador do escritório, Dayrell, Rodrigues & Advogados Associados, fundado em 2006.